quinta-feira, 18 de setembro de 2014 | By: Vânia Santana

Os fariseus da modernidade


Acho que há muito não é mais questão de 'acordar' as pessoas.

As pessoas fazem suas escolhas de acordo com seu caráter. Você pode até ter ao seu lado por alguma razão e por um tempo pessoas de mau caráter, estas podem enganá-lo, mas você não se contamina. Você se torna cúmplice quando apoia suas ações, inclusive quando se cala ou se omite, permitindo que o que não é correto prospere.

Há um limite entre ser vítima e entre ser cúmplice, não é?

Ninguém precisa pensar igual, ter a mesma opinião. Mas tenho certeza que distinguir o certo do errado, a maioria sabe, mas nem sempre é conveniente. O interesse fala sempre mais alto, num mundo onde o egoísmo e a ganância imperam, mesmo sob a fachada de pregadores de democracia, tolerância, igualdade, liberdade, amor-próprio, amor e respeito ao outro.

Pregam democracia, e querem impor sua ditadura pessoal. Pregam tolerância, mas não aceitam ser contrariados. Pregam igualdade, mas querem ser e ter mais (em direito, em dinheiro, em cargo, em bens materiais) que o outro. Pregam liberdade, mas vivem na dependência de algo ou alguém. Pregam amor-próprio onde na verdade só existe orgulho ferido. Pregam amor e respeito ao próximo, mas ignoram, não se misturam ou desprezam qualquer um que não compartilhe da sua 'turma', aqui incluso credo, lazer, trabalho, cor, raça, opção sexual, ideologia.

Opinião, idéia, você pode (acho que até deve mudar). Mas caráter, ou se tem ou não se tem. Ele não muda de acordo com as conveniências. Ele é sempre uma constante na vida de cada um.

Assim, pessoas de índole boa as vezes podem cometer um mal, mas não é de sua índole fazer sempre o mal. Bem como pessoas más, também podem fazer algum bem. Mas não é a sua prática constante.

As pessoas de bom caráter agem e normalmente falam de acordo com suas atitudes. As pessoas de mau caráter, falam uma coisa e agem de modo oposto. São os hipócritas, os falsos moralistas, os demagogos, os fariseus da modernidade. Estes estão sempre a  apontar o erro dos outros, nunca vêem os próprios. Ou fingem não ver. Ou então, culpam os outros por seus erros e seus fracassos. Por isso, nunca se corrigem. Vêem inimigos em toda parte, quando seu maior inimigo está entre suas duas orelhas.

Todos conhecemos pessoas de bom e de mau caráter. No trabalho, nos relacionamentos, na política, nos governos,  na vida, cabe a cada um escolher com quem compactuará e conviverá. Esta escolha diz muito sobre quem você é.

Vânia Santana



1 Deixe seu comentário:

Nilton Robles disse...

Escreveu tudo o que todos precisam saber.

Postar um comentário