quinta-feira, 31 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

Boate Kiss - Foto às 03:05h revela fogo de artifício aceso e casa cheia


A foto tirada pelo Dj Bolinha e postada em sua página no Facebook, mostra claramente o tipo de fogo de artifício usado no palco pela banda, e como a casa estava cheia, nos últimos minutos antes do incêndio.

Clique na foto:



Em foto anterior o dj posta foto dizendo: Kiss bombandoooo. 

Não vi esta foto publicada em nenhum jornal. Fica a pergunta: ninguém viu? Estão noticiando que o fogo de artifício usado foi sinalizador de mão, e a foto mostra que não é verdade!

Se houve uso de sinalizador de mão, foi no show anterior. Veja foto do dj antes dessa,  tirada a 01:23h:



Uma imagem vale mais do que mil palavras. Aí está.

obs: retirei os comentários para proteger os autores, mas a foto é pública no face.

Mais uma observação: de acordo com o proprietário as câmeras da casa estavam no conserto. Mas houve filmagem do show exibido nos vídeos da casa. Talvez possam ter imagens que provem o ocorrido.


quarta-feira, 30 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

Santa Maria – Quem é que vai pagar por isso?



O Brasil ficou estarrecido, chocado,  com o incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, no ultimo domingo, que causou até o momento a morte de 235 pessoas, sendo que ainda 143 vítimas estão internadas nos hospitais.
Qualquer tragédia da vida humana é de se lamentar, e prestar solidariedade as suas vítimas e familiares, é o mínimo que podemos fazer. As perdas humanas sempre são dolorosas, e parece mais aguda quando são de crianças e jovens. O país chorou, ficou de luto. 

Desde o ocorrido, entrei numa espécie de choque emocional. Não só por imaginar a cena vivida por aqueles jovens, ou pela dor de seus familiares e amigos. E a revolta que virá na sequência.
Mas porque, concluí também, dediquei metade da minha vida,  trabalhando em produção de shows e eventos e em casas noturnas, e talvez por isso, tenha tido um maior abalo com esta notícia.

Sei que os familiares e amigos, que sofrem hoje por decorrência deste ‘acidente’, não terão nenhum consolo. Nenhuma lágrima, nenhum ressarcimento material,  fará mudar o que sentem hoje, e o que sentirão. Aos vivos, só restou enterrar e chorar seus mortos. E tenho certeza, nada mais vão querer, do que haja justiça, de que haja punição aos culpados. E do desejo que a lição seja aprendida, para que nunca mais ninguém precise passar por isso.

Por isso, digo, por experiência, que este fato não foi uma tragédia. Tragédias são vulcões em erupção. Terremotos, Furacões. Tsunamis. Isto eu chamo de tragédia. No caso da boate, foi negligência, foi irresponsabilidade em série, onde não existe um culpado apenas. Não vou fazer politicagem com o assunto. Já tem o suficiente disso por aí. Este texto é apenas minha opinião pessoal e profissional.

Muitos empresários sabem do lucro que o investimento em bares, restaurantes e similares, gera. E se decidiu por isso, a primeira coisa a saber é, onde há grande aglomeração humana, começa-se a responsabilidade pela contratação de engenheiros e arquitetos especializados. Pessoas especializadas já conhecem as normas de segurança, o material a ser utilizado, além de favorecer o projeto para sua aprovação. No caso onde há palcos e apresentação de shows, qualquer pessoa da área já sabe que é onde há o maior risco de acidentes/ incêndios, que pode começar com um simples curto circuito, devido a alta carga elétrica que os palcos contem, desde os equipamentos de som, e principalmente pela iluminação. Existem materiais que podem ser usados desde a construção, que já são isolantes térmicos e acústicos, como o ‘siporex’ por exemplo. E existem materiais isolantes acústicos que não propagam fogo ou fumaça tóxica. Portas corta fogo. Saídas anti-pânico. Hidrantes. Alarmes de incêndio. Brigada anti-incêndio (funcionários treinados pelo corpo de bombeiros para casos de emergência)
Além de projetos que facilitem a movimentação, a segurança e o escape, são diversos os erros na boate Kiss. Somente uma saída, que também era entrada. Extintores de incêndio vencidos ou falsificados. Sinalização de saída e emergência é necessária, mas considere que estes ambientes proporcionam consciências alteradas por consumo de alcóol. Ainda que tudo estivesse em ordem, não existe alvará que tire o poder de incêndio de um fogo de artifício usado em ambiente fechado. Porém, se houvesse o material em ordem,  e mais portas de saída, o acidente ocorreria, mas  poderiam ter poupado se não todas, muito mais vidas. Calculando que a casa tinha capacidade para 690 pessoas e, ao que parece, havia mais de mil, e sabendo que houve 235 mortes e 143 vítimas, também podemos analisar que, o descumprimento a lotação permitida da casa, foi mais um ponto negativo para a fuga. Percebam que a quantidade de vítimas, é exatamente a quantia excedente de público permitido.

Da minha experiência, posso concluir que, neste caso específico, a simples responsabilidade de cada um em fazer o certo, aqui, cito os donos, o produtor/gerente, os órgãos públicos, a fiscalização destes, a banda,  evitaria não só essa, como várias ‘tragédias’. Muitos erros assim aconteceram no mundo, o que também não serviu de lição.

As leis existem, para serem cumpridas, e não burladas. A quantidade de multas por várias infrações e os acidentes no trânsito por alcoolismo neste país, comprovam o que estou dizendo. Como me disse um amigo hoje, quando comentei isso: 'parece que precisa de um policial em cada esquina, pra garantir que se respeite um sinal de trânsito'.

Se houvesse cidadania, bom senso e  responsabilidade, não precisaria de fiscalização.

Mas infelizmente, em casos assim, quem paga o maior preço dos erros, geralmente são aqueles que não os cometeram.


quinta-feira, 24 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

Dilma e as mentiras maquiadas de otimismo em rede nacional


Como faço parte dos 44% de eleitores que não votaram no PT, justamente por não acreditar nem nas promessas e nem nos números que eles divulgam da excelência de seu governo, além de não concordar com sua ideologia, sempre tão diferente de sua prática, não poderia me calar, depois de ser colocada ontem, mesmo que indiretamente, na posição que Dilma colocou, em seu pronunciamento na TV e rádios,  todos aqueles que contrariam o seu governo.
Segue o vídeo do pronunciamento de Dilma, e então, farei minhas colocações fundamentadas na realidade, sobre os temas (em destaque abaixo) dissertados por ela, e  não como disse Dilma, previsões sem fundamento e pessimistas.


Maior redução na tarifa elétrica do que o prometido. 18% doméstico e 32% para indústria/comércio.(...) ampliando investimentos na infra estrutura, na educação e na saúde. (...) Miséria será superada (...) Brasil tem e terá energia mais que suficiente para o presente e o futuro (...) Racionamento e apagões são previsões sem fundamento. O Brasil não deixou de produzir um único Kilowatt que precisava.(...) Sobre as concessionárias que não aderiram a redução(...) Nosso país avança sem retrocessos (...) pra quem não acreditava que o país saísse da miséria e virasse país de classe média (...)não houve queda de emprego nem perda de poder de compra  (...) 19,5 milhões de pessoas sairam da pobreza nos últimos 2 anos(...) por termos vencido o pessimismo e os pessimistas, estamos vivendo um dos maiores momentos da nossa história(...) trabalhando acima dos interesses políticos e pessoais.

Sobre a tarifa da energia elétrica:
A tarifa de energia elétrica antes deste "desconto maior que o prometido" sofreu reajuste de 45%.  Para conceder este desconto, o Tesouro Nacional arcará com os custos da redução. Por Tesouro Nacional, entenda dinheiro do contribuinte, que pagou 1 Trilhão de impostos em 2012. O governo para isso renovou antecipadamente as concessões que venceriam de 2015 a 2017, reduzindo encargos sobre o setor. A Cesp, Cemig e Copel não renovaram suas concessões de geração. Tinham a opção de aceitar ou não. Veja aqui a explicação delas.
Quanto a esse 'generoso' desconto nas contas de luz, Dilma esqueceu de explicar que durante 8 anos, por cálculos errados na ANAEL, os consumidores pagaram a mais do que deviam nas tarifas de energia, e o governo precisava devolver os R$ 7 bilhões de reais cobrados indevidamente.

Sobre os apagões e previsões sem fundamento e o Brasil não deixar de produzir 1 kw que precisava:
Em novembro/2009 com queda brusca na Usina Hidrelétrica de Itaipú, um blecaute afetou 18 estados brasileiros, deixando 90 milhões de pessoas sem luz por até 7 horas.



Em fevereiro/2010 novo blecaute atingiu todos os estados da Região Nordeste do país. Esta queda, provocou o desligamento das estações da Sabesp e alguns municípios de SP além da luz, também ficaram sem água por até 36 horas. O mesmo ocorreu com concessionárias de outros estados, como o Rio e Espirito Santo.
Em 22 de setembro de 2012 um apagão ocorreu na Região do Nordeste. Dia 03 de Outubro de 2012, uma pane em Furnas, interrompeu o fornecimento de energia para grande parte do país. Menos de 24 horas depois, um novo apagão atingiu 70% do DF.
Em 26 de outubro de 2012 novo apagão afetou o NE, atingindo os estados de AL, CE, BA, MA, PE, PI, RN, PB, SE e parte do Pará, Tocantins e DF. Veja mais aqui
A ONG Contas Abertas, informou que Furnas, pertencente a Eletrobrás, investiu apenas 37,6% dos recursos de 2012.
Segundo o Ministro de Energia, Edison Lobão, "não houve apagão, houve uma interrupção temporária de energia".
Dia 18/01/2013, com poucas horas antes da presença de Dilma no estado, nova 'interrupção de energia' deixou sem luz 33 cidades do Piauí.
Desde o blecaute de 2009, houve queda de aproximadamente 64 mil Megawatts de energia no país, o que equivale o país inteiro sem luz por 24 horas.
Somente em 2012 foram registrados 245 'interrupções de energia' no Brasil. Mas deve ter sido a energia dos pessimistas que afetaram o sistema.


Sobre superar a miséria, a classe média , pleno emprego, poder de compra e retrocesso:
Quanto ao vencer a miséria, o governo aumentou o valor e distribuição do bolsa-família. Tomou e propaga como seu um programa social que já existia. Veja aqui. Continua porém, sem expandir o programa. Para o governo, geração de renda é apenas a transferência de dinheiro, sem nenhuma medida ou proposta de erradicar a miséria pelo trabalho e atividade econômica produtiva.

Apesar de propagar investimentos na infra estrutura, educação e saúde, o governo, para pagar a dívida pública, cortou R$ 55 Bilhões do orçamento de 2012. Cortou verbas da Educação em R$ 1,93 Bilhões, e da Saúde em R$ 5,47 Bilhões. Também houve corte na Segurança, de R$ 3,319 Bilhões. Veja aqui.

A economia brasileira gerou 1.301.842 empregos formais no ano de 2012, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O número, 33% menor em comparação à geração verificada no ano passado, é também o mais baixo já registrado desde 2009, quando foram criados 1,9 milhão de novas vagas. O governo já havia revisado duas vezes a previsão de criação de empregos, sendo que a última era de 1,4 milhão de novas vagas. Mas Dilma disse que não houve queda de emprego. Veja aqui.

Mesmo com a diminuição dos juros (onde foi decidido mexer na poupança, alterando suas regras e diminuindo os rendimentos) e o corte de verbas, o governo não conseguiu atingir o superávit primário. Para maquiar isto, fez uma manobra econômica usando fundos do Tesouro Nacional. Teve um crescimento economico pífio de 0,4% no PIB e perdeu a 6ª colocação na economia mundial. E uma inflação de 5,85%, ante a meta de 4,5%. Confira aqui.os indices do IPC.

Para o governo, classe média são famílias que ganham de R$ 291 a R$ 1.029. Classe média 'baixa' tem renda de R$291 a R$ 441 e classe média 'alta' de R$ 641 até R$ 1.019. Por este critério, 53% da população brasileira torna-se classe média. Só para comparativo, nos EUA, são considerados classe média famílias com rendimento de R$ 6.750 (já em reais).
De acordo com o Dieese, a alta da alimentação em quase 9%, fez o preço da cesta básica em SP, chegar a R$ 377,26. Um ano antes, este valor era de R$ 247,26. Mas de acordo com o PT, não perdemos o poder de compra, não houve retrocesso (inflação de quase 6% não é retrocesso) e os brasileiros estão na classe média, mas só os da "alta" recebem o suficiente pra uma cesta básica.

Veja os índices do Brasil no mundo e na America Latina, caso queira complementar estes dados, no texto deste blog "um olhar sobre os índices do Brasil"

Agora que tiveram as informações que Dilma 'omitiu' em seu pronunciamento ontem, onde não está tão   maravilhoso como ela descreve porque o PT é incompetente e péssimo administrador, já podem decidir se realmente existiu pessimismo, ou realismo, e também já podem saber como o PT governa acima dos interesses políticos e pessoais.

atualizado 25/01/12 as 16:35h
terça-feira, 22 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

Os brasileiros antipatriotas



Enquanto governistas e militantes petistas bradam na imprensa marrom e nas redes sociais, das mentiras que a imprensa golpista e os oposicionistas ao governo estão ‘inventando’ e torcendo contra nosso país, resolvi ir à busca de algumas destas “mentiras” propagadas pelos tais conspiradores da pátria.

Claro que em um texto de um blog não caberia todos os escândalos por nós inventados, então fiz um breve resumo dos principais, ou do que minha memória permitiu, e anexei os links que a ‘imprensa golpista’ publicou, para conferirem. Segue:

Ministério dos Transportes-  A CGU constata desvio de R$ 729,3 milhões no Ministério dos Transportes de 2005 a 2011 – sob o comando de Alfredo Nascimento e Paulo Passos. Na época desta denúncia, a oposição tentou instaurar CPI. Já tinha inclusive conseguido 27 assinaturas. Com negociações feitas na calada da noite pelos governistas, o senador João Durval (PDT-BA) retirou o nome da lista, o que impediu a investigação. (TV IG

UNE – Lula liberou R$ 44 milhões para a UNE para construção de um prédio no Rio. Até hoje não há sinal de que o projeto sairá do papel. A TCU (Tribunal de Contas da União) investiga convênios de UNE com o Governo Federal, entre 2006 e 2010. A UNE e a UMES receberam R$ 12 milhões. O TCU aponta irregularidades graves, como o uso de parte dos recursos para compra de bebidas alcoólicas. Veja em O Globo e Gazeta do Povo.

Ministério da Saúde: de 2002 a 2011, a TCU apurou desvios de R$ 2,3 bilhões dos recursos federais. Entre 24 Ministérios e a Previdência, a TCU já apurou desvios de R$ 6,89 Bilhões entre 2002 e 2011. Publicado em O Globo

Recursos para enchente no RJ: Segundo o MP, dos R$ 10 milhões destinados à prefeitura de Nova Friburgo (RJ) para socorrer as vítimas das enchentes de janeiro de 2011, R$ 3 milhões dos recursos foram desviados. Essa tem até vídeo, mas também deve ter sido inventado. Revista Época.

Usina Abreu e Lima (PE): orçada inicialmente em US$ 2,3 Bilhões a obra já foi paralisada várias vezes pelo TCU por suspeitas de irregularidades. Já aumentou 643% do orçamento inicial, e segundo a Petrobrás pode ultrapassar a casa do US$ 20 Bilhões. Ig Economia.

Transposição do Rio São Francisco: Com orçamento inicial de R$ 4,5 Bilhões, atrasos e superfaturamentos já fizeram o faraônico e moroso projeto chegar a R$ 8,2 Bilhões. Veja em jornal da Globo.

Mensalão: Também conhecido como Ação penal 470. O MP e o TCU apuraram que pelo menos R$ 101 milhões foram desviados no esquema de compra de parlamentares. O STF julgou e condenou seus participantes. O Globo e G1

Operação Porto Seguro: o MPF denunciou 24 investigados pela PF, por suposto esquema de pareceres técnicos do governo favorecendo empresas privadas. No esquema, estão envolvidos diretor da ANA (Agência Nacional de Águas), da ANAC (Agência Nacional da Aviação Civil), AGU (Advocacia Geral da União) e Rosemary Noronha, chefe de gabinete da Presidência da República em SP. O esquema foi denunciado pelo ex-auditor do TCU. #G1

Junte-se a isso a farra dos cartões corporativos, com texto exclusivo dedicado neste blog no artigo “Brasil Carinhoso de Vossas Excelências”. Clique aqui

A manipulação feita para maquiar o superávit de 2012 e a inflação, e a liberação inconstitucional de R$ 42,5 bilhões através da MP do crédito extraordinário, criada com este objetivo. Jornal A Cidade.

Claro que todas essas denúncias e acusações ‘falsas’ feita pela imprensa, causou algumas demissões, quase nenhum dinheiro ressarcido de volta aos cofres públicos e alguma crise entre o Legislativo e Executivo com o Judiciário, especialmente no caso julgado do Mensalão. Além de nenhum afastamento dos corruptos condenados no STF do partido governista, ainda gerou protestos e até ‘vaquinha’ em jantar promovido pelo PT para arrecadar fundos para pagar a multa imposta aos mensaleiros condenados. Tem até 3 condenados exercendo cargos de Deputado Federal no Congresso, enquanto não são decretadas suas prisões. 

Em Banânia, também conhecida como Brasil,  uma frase dita por Stallone quando em filmagem aqui causou tanto incômodo aos brasileiros, a ponto de haver manifestos  pedindo boicote a seu filme. A frase foi esta: “Lá (no Brasil) você pode atirar nas pessoas, explodir coisas, e eles dizem: “obrigado, e aqui está um macaco para você levar pra casa”.

Esta frase revoltou os brasileiros. Mas onde está a ofensa? Quando estão sendo lesados, roubados de todas as maneiras, e ainda agradecem, reelegendo quem os rouba, e os presenteiam com o silêncio? Não o silêncio dos inocentes, que nada sabem. Todos os dias têm acesso a estas informações. Mas ignoram e são complacentes com o que realmente importa. Deviam sentir-se envergonhados, e não ofendidos. Se a frase ofendeu, foi porque alertou para uma verdade que não querem ver. 
Quem está contra o Brasil? Quem denuncia, quem rouba, ou quem se cala? O PT  está no governo há 10 anos porque sabe: os brasileiros são antipatriotas.






sábado, 19 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

Um olhar sobre os índices do Brasil



Embora com um crescimento econômico que levou o país, e principalmente os governistas a comemorem entusiasmados o avanço na posição mundial sobre a Inglaterra, ficando em 6º lugar na economia mundial, os ânimos já não estão mais acirrados em Pindorama. O Brasil teve um humilde crescimento no PIB (0,4%) em 2012, e apesar de Dilma ir à Europa para ensinar o primeiro mundo como se pode obter uma economia bem sucedida, a Inglaterra voltou a 6ª posição no ranking, com 0,5%, uma diferença de cerca de US$ 198 bilhões  mesmo com a crise européia e mundial.

Mesmo em 7º lugar na economia do mundo, o país não tem muito a comemorar. Ocupa a 84ª posição no ranking mundial do IDH 2011 (Índice de Desenvolvimento Humano) entre 187 países. O índice é usado como referência da qualidade de vida e desenvolvimento sem se prender apenas em índices econômicos. O país com índice mais alto no IDH é a Noruega. Na América Latina, o Brasil ocupa a 20ª posição.
Já o relatório da ONU-Habitat, indica que o Brasil é o quarto país com mais desigualdades na América Latina. O relatório traz dados sobre distribuição e renda.

O Brasil também perde para a maioria dos países na América Latina, na questão da pobreza. Apesar de nas últimas duas décadas, ter reduzido o indice pela metade, 22% da população ainda vive em situação de pobreza ou indigência, percentual maior do que no Uruguai, na Argentina, no Chile e no Peru. Costa Rica e Panamá também ficam a frente do Brasil, com menores percentuais na Taxa de Pobreza Urbana. O Chile foi o grande campeão no combate à pobreza, com redução de 70% - no mesmo período, entre 1990 e 2009.

O estudo da ONU-Habitat mostra que o Brasil é apenas a 19ª nação da América Latina em atendimento de saneamento básico.
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, através da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, novos números do saneamento básico no Brasil. De 2009 a 2011, a expansão da coleta de esgoto cresceu apenas 3%. Ainda de acordo com a pesquisa, cerca de 40% das residências brasileiras não estão conectadas à rede coletora de esgoto (quase metade da população brasileira)  e apenas 38% desse esgoto recebe algum tipo de tratamento. Isso significa que são jogados, diariamente, 15 bilhões de litros de esgoto na natureza.
A questão de saneamento básico, não se aplica somente a redes de esgotos sanitários. Envolve distribuição de água, racionamento. Envolve manejo dos resíduos sólidos e inundações.



O investimento em saneamento básico é fundamental para que a saúde e a qualidade de vida da população melhorem significativamente. Fica claro pra qualquer leigo, e parece que menos para os governantes, que dinheiro investido em saneamento, reduz dinheiro investido em saúde pública.

O IBGE também divulgou, que 11.425.644 de pessoas, ou seja 6% da população brasileira, vive em favelas. O equivalente a população de Portugal, e 3 vezes do Uruguai. O último levantamento, há cerca de 20 anos, mostra que o número de pessoas moradoras em favelas, dobrou. Em 1991, 4,48 milhões de pessoas (3,1% da população) viviam em assentamentos irregulares, número que aumentou para 6,53 milhões (3,9%) no Censo de 2000. O IBGE designa locais como favelas, invasões e comunidades com, no mínimo, 51 domicílios. Ou seja, este número tende a ser bem maior, já que estas aglomerações fora deste padrão não foram analisadas.


                                          Favela da Rocinha (Foto: Veja/Ricardo Setti)

O Rio de Janeiro é a cidade com mais moradores de favelas no país. Possui 763 delas. De cada 100 mil moradores, 22.160 estão nas favelas. A maior delas, a Rocinha,  com 69.161 pessoas. Quando a comparação é proporcional ao número de habitantes do Estado, porém, perde para o Pará (77% da população vive em favelas) Belém (54,4%) e Salvador (33,07%). Outro dado que o IBGE revelou, é de que 74% dos moradores das favelas cariocas, vivem com um salário mínimo.


Um país só pode comemorar seu crescimento econômico, se puder comemorar com ele seu desenvolvimento. Um bom começo seria avaliar as políticas de transferência de renda e verificar se apenas essas ações realmente estão mudando a vida da população mais necessitada.



sexta-feira, 18 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

SUS, a agonizante saúde pública



Um estudo do IBGE (19/11/2010) concluiu que a qualidade dos serviços de saúde prestados para os pobres e ricos, é tão desigual no Brasil, que divide o país em dois.
O número total de leitos é de 431.996 nas sete principais capitais do país (São Paulo, Rio, Salvador, Brasília, Fortaleza, Belo Horizonte e Curitiba), sendo que 35,4% em instituições públicas e 64,6% em hospitais privados. Nestes municípios, há estimativa que 170 mil pessoas terão que esperar até 5 anos para uma cirurgia não emergencial.

Está na Constituição, que todos os brasileiros tem garantia de inviolabilidade da vida, e o direito a saúde representa direito inerente ao indivíduo.

O Sistema Único de Saúde (SUS) foi criado para ser um sistema de atendimento universal, sem distinção de pacientes. A distribuição de recursos do governo deveria ser proporcional a quantidade populacional de cada Estado. Isto deveria ser o mínimo que um Estado Democrático de Direito deveria oferecer aos seus cidadãos.

O Brasil é o país que menos investe em saúde proporcionalmente ao seu PIB, apenas 3,6%,  enquanto Bolívia, Argentina, Uruguai, Venezuela, Colômbia, África do Sul e outros países em desenvolvimento investem entre 5% e 5,5%. Os  Estados Unidos e Cuba usam 6,25%; Japão, Austrália, Inglaterra, Portugal, Canadá, França e Alemanha investem 8,1% em relação ao PIB.

O governo destina parte significativa do orçamento federal do Brasil, para o pagamento de juros e da dívida pública. O LOA 2012 (Lei Orçamentária Anual)  destinou R$ 655 bilhões ou 30% do Orçamento federal de 2012 ao refinanciamento e ao pagamento de juros e amortizações da dívida pública, mais de nove vezes o valor previsto para a saúde. De todos os cortes orçamentários do país, o que sofreu maior corte foi o Ministério da Saúde: R$ 5,470 Bilhões. O grave problema de financiamento da saúde no Brasil, acaba onerando os Estados e Municípios.

Quando presidente da República, Lula da Silva, em um de seus discursos demagogos, nem corou ao dizer: “O SUS é tão bom, mas tão bom, que se eu precisar, eu mesmo vou usar”.
Pouco tempo depois, Lula precisou. Abaixo, a foto dele no Hospital, em outubro de 2011. Mas não era o SUS, era o Hospital Sírio Libanês, privado, e um dos melhores do país (foto Jornal do Brasil)


Mas não é só a falta de recursos destinados ao SUS, bem como  sua defasagem, os únicos problemas da saúde pública.  Soma-se ainda a eles os desvios de verbas no setor.

A CGU ( Controle Geral da União) em investigações administrativas, somente entre 2007/2010, apontou desvios de R$ 662,2 milhões no SUS. Fraudes que vão desde compras e pagamentos irregulares de medicamentos e equipamentos, superfaturamentos, hospitais inativos, até a contratação de médicos fantasmas.
A imprensa brasileira faz regularmente reportagens e graves denúncias de desvios de verbas e de problemas de atendimento no SUS.

Com estas denúncias da CGU, em 2011, o líder da oposição no senado (PSDB) tentou instalar uma CPI mista para investigar os desvios na saúde em todo o país. Embora tenha conseguido 29  assinaturas  no Senado, já na Câmara, dos 513 deputados federais, apenas 54 assinaram. (aqui os nomes)
Para instalar a #CPIdaSaude, ou qualquer outra, são necessárias 27 assinaturas de Senadores e 171 assinaturas de Deputados.
Milhões e milhões desviados, comprovadamente, mas não quiseram investigar. Por conveniência, ou por leniência?
Se isto não bastasse, na mesma época, se empenharam muito pra criar um novo imposto pra substituir a antiga CPMF. Sempre é bom saber quem está do lado do povo, de verdade, e quem não está. Se reelegê-los, não diga que não sabia. Clique aqui, e nunca mais se engane. 


Como mostra a realidade do SUS na foto acima, vemos no Brasil uma população com total carência de recursos, agonizando em filas de hospitais públicos, enquanto aguardam atendimento. Vemos falta de medicamentos. Falta de médicos. E nenhuma vontade nem esforço dos governantes, que, diga-se de passagem, além de convênio médico pago pelos impostos da população, ainda podem usufruir do atendimento em Hospitais privados da melhor qualidade do país.
Não usam o SUS. Nunca vão usar. Só se lembram da população e do SUS, em época de campanhas eleitorais.





quinta-feira, 17 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

O preço da insegurança nacional



Segurança Pública é um processo que depende, ou deveria, de decisões rápidas, medidas saneadoras e resultados imediatos.
A segurança pública não pode ser tratada apenas como medidas de vigilância e repressiva, mas como um sistema integrado e otimizado envolvendo instrumento de prevenção, coação, justiça, defesa dos direitos, saúde e social. O processo de segurança pública se inicia pela prevenção e finda na reparação do dano, no tratamento das causas e na reinclusão na sociedade do autor do ilícito.

No final de 2007, ainda no Governo Lula, o Pronasci (Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania ) foi criado com a promessa de diminuir os indicadores de criminalidade nas regiões metropolitanas mais violentas do Brasil. Desenvolvido pelo Ministério da Justiça, o Pronasci tem como objetivo enfrentar a criminalidade articulando políticas de segurança com ações sociais, tentando atingir as causas da violência. Entre seus pontos principais estão a valorização dos profissionais de segurança pública, reestruturação do sistema penitenciário e combate à corrupção policial. Até 2012, Dilma em sua campanha prometeu destinar mais de R$ 6 bilhões para o programa.

Apesar da suposta promessa da petista, o Pronasci sofreu no Governo Dilma, um dos maiores cortes de verbas desde sua criação, já em seu primeiro ano. Em 2011, dos R$ 2,094 bilhões autorizados, somente a metade foi paga aos projetos do Ministério da Justiça. Veja dados do Siafi e outras informações sobre o corte de verbas clicando aqui Jornal O Globo

A questão da segurança pública passou a ser considerada problema fundamental e principal desafio ao estado de direito no Brasil. A segurança ganhou enorme destaque, tanto na mídia, quanto nas redes sociais e em conversas pessoais.
Assuntos que vão desde o aumento das taxas de criminalidade, o aumento da sensação de insegurança, especialmente nos grandes centros urbanos, a degradação da “coisa” pública, à falta de reforma das instituições da administração da justiça criminal, a violência policial, a ineficiência da prevenção, a superpopulação nos presídios, rebeliões, fugas, a pena de jovens infratores, corrupção, aumento dos custos operacionais do sistema, à eficiência da investigação criminal e das perícias policiais e morosidade judicial, entre tantos outros, que indicam os desafios a serem enfrentados para o sucesso do processo de consolidação política da democracia no Brasil.

Mapa da Violência 2012 no Brasil:



Para aqueles brasileiros que muitas vezes são excluídos dos direitos humanos no país, resta recorrer ao mercado paralelo de segurança e proteção pessoal, a fim de se obter, pelo menos, o mínimo daquilo que o Estado não oferece. O mercado cresceu 40% no Brasil, e oferece várias opções, com preços acessíveis ou nem tão acessíveis. A blindagem de um carro, por exemplo, custa de R$ 25 mil a R$ 70 mil reais. (O Brasil é o terceiro maior mercado em blindagem do mundo, 70% em SP). Cercas elétricas, em média R$ 2 mil por 300m lineares. Portões eletrônicos, a partir de R$ 400 reais (o equipamento). Câmeras com gravador, em média R$ 2.500. Ainda tem alarmes, seguros residenciais, serviços de vigilância e monitoramento, censores de luz, rastreadores de automóveis. Artifícios que, se não combatem, ao menos inibem o crime.

Pra encerrar o texto de hoje,  fico também com a pergunta “Quanto Vale a Vida?” dos Engenheiros do Hawai:








quarta-feira, 16 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

A “camuflagem” tupiniquim




Se é verdade quando dizem que ‘se todos pensam igual, é porque ninguém está pensando’ podemos também concluir que a sabedoria popular está longe de ser sabedoria.

Assim, no final da década de 70, foi criada uma propaganda de cigarro no Brasil, que graças ao entendimento popular, tornou-se famosa até hoje. E virou até lei, uma lei difícil de ser revogada, embora não esteja na Constituição.
Chamada de Lei de Gerson (um jogador de futebol brasileiro) que foi protagonista na propaganda, ficou decretado que levar vantagem em benefício próprio, sem se importar com a ética ou moral das coisas é um traço característico do brasileiro, um rótulo que até hoje, tem fama internacional. O famoso ‘jeitinho’ brasileiro.

Nem sempre este ‘jeito’ expressado, necessário em soluções de situações comuns ou desagradáveis, significa que a atitude a ser tomada seja imoral ou ilícita. Qualquer pessoa no mundo já deve ter usado a frase: ‘Vamos dar um jeito’. O que implica numa solução ao problema, ou seja, ‘vamos resolver’. Acontece que, em Pindorama, muitos dos que não resolvem a causa do problema, e não assumem isto honestamente, passam a exercer uma camuflagem para que o problema não pareça tão grande quanto ele é. E isto não se aplica somente a problemas. No dia a dia, nas coisas mais simples, podemos verificar esta camuflagem, este ato de 'levar vantagem'.

Exemplifico: vá a um supermercado e pegue uma caixa de morangos, destas transparentes mesmo. Observará que, salvo raras exceções,  por cima estarão os morangos maduros, grandes e apetitosos. Na parte inferior estão os pequenos, verdes e muitas vezes, podres. Verá isso nas embalagens de bacalhau também, o grande lombo carnudo em amostra, encobrindo o rabo inferior. Verá as imagens das caixas de produtos, completamente diferentes do conteúdo, disfarçadas sob a legenda “imagens meramente ilustrativas”. Empresas driblam pagamentos de impostos, alugando salas com endereços que constam nas notas fiscais, mas a empresa não atua, em cidades onde este é menor a taxa. Pessoas emplacam carros e se livram da taxa de inspeção veicular, usando do mesmo método.   E por aí vai, não faltam exemplos.

Quando isso se aplica ao governo, a muitos não espanta. Afinal, já dizia um sábio: o que está em cima, está embaixo.

Se não pode o governo manter crianças na escola porque oferece boa educação, então camufle a educação, oferecendo aprovação automática. Isso mostrará números elevados de alunos matriculados, mesmo que burros. Mas importa a quantidade, não a qualidade. Se não pode o governo tirar o país da pobreza, então que se alterem os valores de renda que classificam as classes sociais. Você está na classe pobre, mas se ganhar 5 centavos de real a mais do que esta categoria, já está na classe média. Faça manobra econômica que indique que o superávit foi atingido. Contenha a inflação, aumentando gasolina, mas não muito: permita que se misture nela mais etanol. E pra isso de inflação não ficar muito explícito, solicite as duas maiores metrópoles brasileiras para não aumentar o valor do transporte público.

Entre truques contábeis e camuflagem que não administram de fato os problemas econômicos, o governo repete erros. Chegará um momento em que nenhum ‘jeitinho brasileiro’ nos salvará da hiperinflação que já vivemos no passado, nem tão distante pra ter sido esquecido. Apesar de jornais internacionais especializados em economia, já estarem de olhos abertos sobre nosso país, e anunciando isto, poucas vozes clamam e alertam no gigantesco território brasileiro. Infelizmente, a cidadania no Brasil, em sua maior parte, só nasce da conscientização aplicada no bolso.


Atualização 17/01 as 17:26h > Conforme disse acima sobre aumento de mistura de etanol a gasolina para camuflar a inflação, a ANP (Associação Nacional do Petróleo) confirmou hoje. Confira aqui



domingo, 13 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

Você tem fome de quê?



Segundo a ONU (Organização das Nações Unidas) cerca de 870 milhões de pessoas sofrem de subnutrição. A média representa 12,5 % da população mundial. Os percentuais aumentam para 23,2% nos países em desenvolvimento e caem para 14,9% nos países desenvolvidos.
Os dados são do relatório “Sofi” de 2012 da FAO
O diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano, alertou que é “inaceitável” o número de subnutridos no mundo, considerando os avanços tecnológicos conquistados pela humanidade. Graziano acrescentou que mais de 100 milhões de crianças com menos de 5 anos estão abaixo do peso. Segundo ele, a desnutrição infantil é responsável por mais de 2,5 milhões de crianças mortas por ano.




Segundo o relatório, a Ásia é o continente que lidera em número a quantidade de pessoas subnutridas e há um aumento na África.

Na Somália, na África, crianças sofrem tão profundamente de subnutrição, que não tem forças nem para chorar.


"Ela tem muita fome, mas acho que ficou fraca demais para chorar", diz Shukri Mohamed, 28, embalando seu bebê de oito meses. Pele e osso, a criança tem os olhos vidrados, indiferente ao bando de moscas que passeiam sobre seu rosto.

O silêncio dos refugiados é produto da debilidade física, mas também da impotência diante de um desastre natural agravado por duas décadas de guerra civil na Somália e pelo atraso das agências internacionais em reagir. Vivendo a pior seca em 60 anos, a região conhecida como "Chifre da África" fez ressurgir as imagens das crianças etíopes esqueléticas que comoveram o mundo no meio da década de 80. (Fonte: Folha.com)

Dentre os países que sofrem de subnutrição, o Brasil está em 27º lugar da lista, com 9% da população sofrendo de subnutrição. O pior resultado (1º da lista) é a Eritréia (país africano), que apresenta 35% da população subnutrida. No Brasil, a falta de condições básicas, como água limpa, saúde, condições sanitárias, moradia, educação e informação, levam cerca de seis milhões de crianças a viverem em condições de absoluta pobreza, segundo relatório do UNICEF.

Com a maior seca dos últimos 47 anos, o Nordeste do Brasil é um dos lugares mais afetados. Somente na Bahia, mais de 230 municípios estão em situação de emergência; em todo o Nordeste, mais de 4 milhões de pessoas estariam em áreas diretamente afetadas pela estiagem.

                                                       Foto: Beto Macário/UOL


Se na África a situação política dificulta a ajuda humanitária, o mesmo não se pode dizer do Brasil.
A transposição das águas do rio São Francisco foi prometida pelo governo como a redenção das regiões mais áridas do Nordeste. Por enquanto a gigantesca obra, em custos e dimensões, continua sendo apenas uma promessa, prejudicada por constantes atrasos e falta de planejamento.


Apenas 43% da obra está concluída. Em seu governo, Lula prometeu finalização das obras em 2012.  Também utilizou a propaganda da Transposição na campanha eleitoral de Dilma. Até 20 de dezembro, só 18% do Orçamento disponibilizado para 2012 havia sido desembolsado pelo Ministério da Integração Nacional. A obra é tão faraônica como o custo: R$ 8,2 bilhões, e só deve terminar em 2015. Segundo a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, que comanda as obras do PAC, os atrasos ocorreram devido às empresas que abandonaram o trabalho e à complexidade do projeto.

Enquanto 12,5% da população mundial passa fome, um relatório de uma organização britânica indica que até metade de toda a comida produzida a cada ano no mundo, ou cerca de dois bilhões de toneladas, vai parar no lixo.

O desperdício está ocorrendo devido a uma série de motivos, entre eles as condições inadequadas de armazenamento e a adoção de prazos de validade demasiadamente rigorosos. Outro problema é a preferência dos consumidores por alimentos com um formato ou cor específicos. O estudo diz que até 30% das frutas, verduras e legumes plantados na Grã-Bretanha sequer são colhidos por causa de sua aparência.

O desperdício de alimentos também implica em desperdício de recursos usados para a produção deles, como água, áreas para agricultura e energia, alertou o relatório publicado pela Institution of Mechanical Engineers, uma organização que representa engenheiros mecânicos e reúne cem mil membros no Reino Unido.
O relatório alertou que atualmente 550 bilhões de metros cúbicos de água estão sendo desperdiçados na produção de alimentos que vão para o lixo.
E o problema pode se agravar. Segundo a Institution of Mechanical Engineers, o consumo de água no mundo chegará a até 13 trilhões de metros cúbicos por ano em 2050 devido ao crescimento da demanda para produção de alimentos.
Isso representa até 3,5 vezes o total de água consumido atualmente pela humanidade e gera o temor de mais escassez do recurso no futuro.
O alto consumo de carne tem grande influência nesse aumento de demanda, visto que a produção de carne exige mais água do que a produção de alimentos vegetais.
"À medida que água, terra e energia passam a ser mais disputados devido à demanda da humanidade, os engenheiros tem um papel crucial a desempenhar no sentido de prevenir a perda e o desperdício de alimentos, desenvolvendo formas mais eficientes de produção, transporte e armazenamento", disse Tim Fox, diretor da Institution of Mechanical Engineers. Veja a reportagem clicando aqui:  BBC Brasil 

Com a falta de interesse em políticas públicas e a falta de investimentos, aumentada com o agravamento das mudanças climáticas, e o cálculo da ONU de a população chegar até 2050 em 9,5 bilhões de pessoas, o pior ainda está por vir.






sábado, 12 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

O Brasil Carinhoso das Vossas Excelências



Valor total dos impostos recolhidos no Brasil entre 01/01/2012 a 31/12/2012



Caros leitores, contribuintes que somos da imensa Pátria mãe Gentil e do Brasil Carinhoso de Dilma, hoje o texto será dedicado a mostrar o quanto de carinhosos são os governantes desta Nação com o povo que a sustenta. Sim, porque as propagandas que o governo veicula do País das Maravilhas, está bem longe da realidade em que os brasileiros vivem, mas que a maioria insiste em não enxergar, ou, se enxerga, continua sem reação nenhuma aos desmandos da farra da República.

Enquanto a grande maioria não se conscientizar, que são estes valores aí em cima na foto, pagos por todos os brasileiros, para ter de volta em serviços públicos, e que não é o Governo, seja qual for, que dá de graça nada pra ninguém, continuaremos sendo governados por seres que se aproveitam da ignorância da massa, que os elegem, e aceitam migalhas e ainda os enaltecem, enquanto são eles a usufruir e muito bem do dinheiro público, mascarando inclusive seus gastos como "sigilosos" porque eles sabem que somente a informação pode dar o poder.

Vamos acordar?

Começando pelo voto, a maioria não sabe, que, dos 513 deputados eleitos, somente 35 entraram com o quociente eleitoral, o restante, foi através de ‘puxadores’ de votos. Isso mesmo. Votos de 'protesto' como os que Tiririca, por exemplo, recebeu, levou com ele mais 3 deputados. Achou que pior não ficava? Pois enganou-se, ficou. Confira clicando aqui.

Os 27 Estados do Brasil, incluso DF, são representados por pelo menos 8 deputados federais cada. Depende do número de habitantes. SP por exemplo, tem 63. Você pode saber quais são, e todos os dados deles aqui.

O salário mínimo no Brasil em 2013 é de R$ 678,00, um deputado federal tem um salário de R$ 26.723,13. Mas não é só isso. Saiba que também tem cota parlamentar e quantitativo de pessoal. Você pode ter acesso a estas informações e valores aqui .

Os dados de todos os Senadores da República, você acessa aqui: http://www.senado.gov.br/senadores/ e clicando aqui você acessa os salários do Senadores e servidores.

De acordo com a ONG Transparência Brasil o mandato de cada um dos 513 deputados federais custa R$ 6,6 milhões por ano. No Senado, o mandato de cada um de seus 81 integrantes custa quase cinco vezes mais, R$ 33,1 milhões por ano. Os dados são de 2007. Passados 5 anos, quais seriam estes valores?






Enquanto brasileiros sonham em adquirir seu imóvel, sonho de todos, afinal, mas que a grande maioria só pode se contentar com a “casa popular” oferecida pela CEF, com preço médio de 30 mil reais, a Câmara gasta R$ 280 Milhões em reformas de 432 apartamentos funcionais, o que equivale a R$ 650 mil cada (valor da reforma, o valor do apartamento está avaliado em R$ 2,350 milhões cada).
Informe- se aqui AE- Agência Estado

Encerrando o texto, o Jornal Estado de São Paulo teve acesso aos gastos do cartão corporativo da Presidência da Republica era Lula:

Os gastos da Presidência da República com cartões corporativos classificados como sigilosos por se tratarem de “informações estratégicas para a segurança da sociedade e do Estado” incluem compra de produtos de limpeza, sementes, material de caça e pesca e até de comida de animais domésticos. As despesas secretas do Executivo federal somaram R$ 44,5 milhões entre 2003 e 2010. O gasto preponderante no período - R$ 31,6 milhões - refere-se a despesas com hotéis e locação de carros.

Já no Governo Dilma, os gastos em cartões corporativos, conseguiram ser ainda maiores. Entre janeiro e setembro do ano passado(2012), 46,2% das despesas via cartão corporativo foram classificadas como sigilosas. Ao todo, R$ 21,3 milhões dos R$ 46,1 milhões foram pagos secretamente.

Veja aqui a matéria completa e a lista dos gastos.


Já que chegou até aqui, assista também mais este vídeo, e se ao terminar, ficar indignado(a), ajude esclarecer outros, divulgando este texto.










sexta-feira, 11 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

Entre apagões, racionamentos ou enchentes



Apesar da cara de lobo mau que o Ministro das Minas e Energia, Edison Lobão,  faz ao negar a possibilidade de racionamento de energia, e da irritação que a governanta Dilma apresenta, quando alguém pronuncia a palavra “apagão” - ela, aliás, também já foi Ministra das Minas e Energia -  inclusive tachando como “ridícula” a hipótese de racionamento, esta já não é mais descartada, ao menos por especialistas, mais realistas do que os maquiadores profissionais do governo e simuladores do ‘está tudo bem’.

Obviamente que, assim como ‘privatização’ é diferente de ‘concessão’ para o governo petista, ‘racionamento’ também deverá receber um novo nome, digamos, ‘contenção’ ou algo do gênero.

A consultoria PSR, que assessora o governo, calcula 9% de chances de haver o racionamento de energia elétrica.
"Mesmo com todas as térmicas ligadas (incluindo as que ainda não estão no sistema), há cenários em que os reservatórios chegariam ao fim de abril bastante vazios", diz o presidente da empresa, Mario Veiga.  Nessa situação, acrescenta, a melhor alternativa seria um racionamento. A PSR produziu mais de 2 mil cenários hidrológicos, com as mesmas premissas adotadas pelo governo. "A única diferença é que nosso modelo é mais detalhado."
Nos cálculos da consultoria, para evitar que um racionamento se torne realidade, as represas das hidrelétricas terão de superar a marca de 38% de armazenamento. Abaixo disso, não há solução milagrosa. Hoje, na média de todos os sistemas, o nível dos reservatórios está em 30%, afirma Veiga. Ou seja, até o fim do período chuvoso, terá de subir 8 pontos porcentuais. (Informa o jornal O Estado de São Paulo de hoje).

Na ata da 122ª reunião de 13 de dezembro de 2012, no MME, tive informações mais detalhadas, transcrevo uma parte aqui pra vocês:

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ATENDIMENTO ELETROENERGÉTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL - SIN 
O ONS apresentou a avaliação das condições eletroenergéticas de atendimento ao SIN para o mês de dezembro/2012, relatando que um sistema de alta pressão não permitiu a permanência das frentes frias por muito tempo no continente, impedindo a ocorrência de precipitação significativa na maioria das bacias do SIN. Entretanto, segundo os modelos de previsão meteorológica, são esperadas chuvas mais intensas
no decorrer do mês, mais concentradas na região Sudeste / Centro-Oeste.
Para o cenário de afluências previsto, a  estimativa  é atingir, no final  do mês de dezembro/2012, um armazenamento (%EARmáx) de  33,4% no subsistema Sudeste/Centro-Oeste, 34,5% no Nordeste, 40,2% no Sul e 47,2% no Norte.Ressaltou ainda que, segundo a Revisão 1 do Programa Mensal de Operação – PMO de dezembro/2012, são previstos 9.289 ̅MW de geração térmica por ordem de mérito e 4.497MW̅̅̅̅ por  garantia de segurança energética, que incluem as usinas do grupo GT1B (usinas a óleo combustível e óleo diesel).Quanto à carga, a média mensal prevista para  dezembro/2012 no SIN é de 61.717MW, o que representará uma elevação de  4,5% em relação ao mês de dezembro/2011.Relatou a necessidade de manter geração térmica nas usinas Candiota III, Presidente Médici, Jorge Lacerda e TermoNorte II, de modo a prover segurança elétrica às áreas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Acre-Rondônia. Ressaltou, entretanto, que o despacho necessário para as usinas Candiota III, Presidente Médici e Jorge Lacerda são cobertos por suas inflexibilidades.Com relação às políticas de operação, a região Sudeste/Centro-Oeste está sendo explorada para atendimento à região Sul e  o intercâmbio da região Nordeste  está sendo dimensionado para complementar as disponibilidades energéticas da região Sudeste/Centro-Oeste. Quanto à região Norte,  com o aumento das afluências, o reservatório da UHE Tucucuí  está sendo replecionado, tendo retornado à operação
quatro unidades geradoras da etapa II, e os excedentes energéticos utilizados, prioritariamente, para o atendimento à região Sudeste/Centro-Oeste. Na região Sul, está ocorrendo o replecionamento coordenado dos reservatórios das bacias dos rios Jacuí e Passo Fundo, para prover geração local ao Rio Grande do Sul, e preservados os estoques  nas  usinas da bacia do rio Uruguai para atendimento adequado às cargas no verão 2012/2013. Informou ainda que no dia 5 de dezembro de 2012 foi acionado o Esquema de Controle de Emergência  - ECE da SE Gravataí, de modo permitir maiores suprimentos à região Sul, e implementada, no dia 9 de dezembro de 2012, a interligação dos barramentos da SEs Garabi I e II, para que na contingência
da LT 500 kV Itá – Santo Ângelo não haja corte de carga no Rio Grande do Sul.O ONS apresentou também uma análise prospectiva do atendimento eletroenergético do SIN  para o período de janeiro/2013 a abril/2013, tendo concluído que será necessário despacho de geração térmica para atendimento aos requisitos de energia, bem como para demanda, ao longo do ano de 2013,  até que os níveis dos reservatórios atinjam valores que possam garantir o atendimento à demanda de  energia em 2013 e 2014, tendo-se como referência a ordem de grandeza dos níveis meta ao final de 2013.Os membros do Comitê ressaltaram que dado que o SIN é um sistema hidrotérmico, com cada vez menos capacidade de regularização dos reservatórios e maior participação de térmicas como recurso estrutural, passa a ser natural a utilização de geração térmica no SIN.
Foi relatado também que algumas usinas térmicas que estão sendo chamadas a gerar não estão despachando por problemas de  logística no fornecimento de combustível. O Senhor Ministro informou que estaria agendando para a próxima semana uma reunião com a Petrobras, para tratar do assunto. (grifo meu) 
Nesta ata vocês podem verificar, não só que já está em uso emergencial as termelétricas, o que com certeza garantirá aos amados consumidores e povo brasileiro o repasse nas contas e tarifas, como também há problemas de funcionamento de algumas por.... logística no fornecimento de combustível da Petrobrás!

Nos resta, mesmo no século XXI, pedir ensinamento aos índios para aprendermos a dança da chuva, e rezar, muito, para que elas caiam nos reservatórios e não nas cidades que já estão ou costumam ser castigadas pelas enchentes nos períodos de chuva.



quinta-feira, 10 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

Bolsa Família - Legado Social ou ‘Bolsa Eleitoral’?



Debates sobre prover assistência à famílias pobres e miseráveis já vem desde os anos 80, quando já havia concessão de benefícios como cestas básicas em áreas carentes principalmente do norte e nordeste, algumas vezes seguidas de denúncias de corrupção devido à centralização das compras em Brasília, além do desvio de mercadorias pela falta de controle logístico. O idealizador do projeto de ajuda direta foi Herbert José de Sousa, o Betinho, sociólogo e importante ativista dos direitos humanos brasileiro.

Durante o governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) finalmente os chamados programas de distribuição de renda foram efetivamente implantados no país, alguns em parceria com ONGs como o Comunidade Solidária, gerenciado pela primeira dama Ruth Cardoso. Todos esses programas estavam agrupados na chamada Rede de Proteção Social, de abrangência nacional.

O mais interessante desses programas está no seu caráter condicional. Para que haja a transferência de um benefício, o cidadão deve preencher certos requisitos, como, por exemplo, cuidar para que seus filhos não deixem de frequentar a escola. Assim é possível dar maior objetividade e direção a cada programa da rede.

Projeto Alvorada (Decreto 3.769/2001) Governo FHC – reforça e integra ações governamentais nas áreas de educação, saúde, saneamento, emprego e renda, com foco nos municípios com IDH abaixo de 0,500; instituídos o Cadastro Único dos Programas Sociais do Governo Federal e os Cartões Magnéticos (em 2002 todos os cartões foram unificados no Cartão Único) para pagamento dos Programas de Transferência de Renda. Veja: Projeto Alvorada

“Quando em 2000 verificou-se que a melhoria dos indicadores sociais, no âmbito nacional, escondia a grande discrepância regional, racial e de gênero, desenhou-se uma verdadeira engenharia social para enfrentar o mais resistente problema deste país - a desigualdade.
O projeto Alvorada, utilizando o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) identificou os municípios brasileiros mais pobres e alocou recursos substantivos em programas que integraram uma rede de proteção social a ações de educação, saúde e renda. Esse programa conjugou os princípios da focalização técnica, ultrapassando o famoso clientelismo da área social, da convergência programática, do investimento em capital humano, através do Centro Nacional de Formação Comunitária, da centralidade de atuação na família e do compromisso com os resultados. Utilizou também uma estratégia de implantação inovadora - o Portal do Alvorada - que se preocupou inclusive com a exclusão digital, ao colocar o acesso à Internet à disposição dos bolsões de pobreza.
Surgiu no Alvorada a chamada Rede de Proteção Social, formada por programas de distribuição direta de recursos (Bolsa-Alimentação, Bolsa-Escola, Peti, Agente Jovem, BPC) que coloca nas mãos das mães aproximadamente R$ 23 bilhões. Esses programas estendem-se para o restante do país e dão origem ao Cadastramento Único das 9,3 milhões de famílias pobres, talvez o mais importante instrumento para a concepção de um plano estratégico de superação de pobreza. Ele é um verdadeiro 'mapa da mina', capaz de retratar a composição, as condições de vida e os programas a que já têm acesso às famílias mais pobres. Por intermédio dele, é possível dimensionar o tamanho real de nossa dívida social e planejar seu pagamento” Wanda Engel (Coordenadora Nacional do Projeto Alvorada) Artigo completo aqui

O Programa Bolsa Família (PBF) consistiu na unificação e ampliação desses programas sociais ( o "Bolsa Escola", vinculado ao Ministério da Educação, "Auxílio Gás", vinculado ao Ministério de Minas e Energia e o "Cartão Alimentação", vinculado ao Ministério da Saúde, cada um desses geridos por administrações burocráticas diferentes) num único programa social, com cadastro e administração centralizados no Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Para se cadastrar no Programa Bolsa Família, as famílias com renda mensal per capita de até R$140,00 devem procurar a prefeitura de seu município e informar seus dados no Cadastro Único dos Programas Sociais (CadÚnico), de forma a ficarem aptas para inclusão no Programa Bolsa Família. O benefício é liberado de forma impessoal, por um processo de seleção da CEF para minimizar as possíveis influências do 'governante do turno' no programa, tentando impedir, assim, a provável interferência de políticos. O PBF busca priorizar as famílias de menor renda. A mulher possui prioridade no cadastramento para o PBF. O benefício é pago com o uso do Cartão do Cidadão do Cartão do Bolsa Família ou através de uma conta aberta na CEF, que são enviados pelo correio. Estes cartões funcionam da mesma maneira um cartão de débito bancário normal e são emitidos pela Caixa Econômica Federal. Esse sistema tem como objetivos evitar a corrupção das normas de distribuição dos recursos e desvinculá-los figuras e partidos do cenário político. Os nomes e dados de cada um dos beneficiários do Bolsa Família estão disponíveis no Portal da Transparência.   Saiba mais: CEF

Há condições para o Programa Bolsa Família. Saiba mais no site do Ministério: http://www.mds.gov.br/

Um dos problemas mais citados tanto por críticos como por apoiadores do PBF, é que há, por parte dos políticos governantes, uma imensa capacidade de transmutar os benefícios da política social providas pelo Estado - e pagas por toda a população brasileira economicamente ativa - em uma ajuda dada pelo governante de turno, o que retira a política social do âmbito das relações sociais na esfera pública, e abre suas portas para o uso clientelístico e partidário.

Embora o Bolsa Família (PBF) tem sido recomendado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para adoção em outros países em desenvolvimento, muitos analistas e opositores ao Programa também vêem nele apenas uma espécie de "bolsa eleitoral", que serviria para subornar as camadas mais vulneráveis da população com transferências de dinheiro para obter eleitores cativos, sem que se constitua numa real proposta de erradicação da pobreza pelo trabalho e pela atividade econômica produtiva. Alguns críticos só se referem ao Programa Bolsa Família pelo seu apelido pejorativo de "Bolsa Miséria". O programa Bolsa Família está longe de ser unanimemente aceito pela sociedade brasileira. Entre as diversas críticas que recebe no Brasil está a de que geraria dependência, e desestimularia a busca por emprego, além da falta de exigências e fiscalização.
Há também vários indícios de mau uso dos recursos do programa, e o TCU (Tribunal de Contas da União) já levantou diversas fraudes, entre elas, pagamento do recurso a mortos e políticos, e beneficiários acima da renda. Veja aqui: #G1

De acordo com o Ministério de Desenvolvimento Social, o programa pagou R$ 2 Bilhões em dezembro de 2012, e beneficiou 13,9 milhões de famílias, sendo que deste valor,  R$ 1 bilhão foi destinado ao Nordeste, com 7 milhões de famílias beneficiadas na região.




quarta-feira, 9 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

Um voto pelo futuro


Neste texto, caro leitor, quero fazer uma política experimental. Chamo assim porque não sou expert no assunto, mas tenho muitos ideais, e, quem sabe, alguém possa aproveitar a idéia e torná-la uma realidade possível, antes que passem 100 anos.

Tenho visto medidas do governo para incentivar o consumo, para tentar driblar a crise que o país está vivendo. Nos últimos dois anos, especialmente, ficou marcado a iniciativa do governo, em baixar o IPI dos carros e da linha branca (geladeiras, fogões, etc). Vou deixar de lado a linha branca (afinal, geladeiras e fogões são algo imprescindível hoje em dia) e falar um pouco sobre o IPI dos carros.
Já deixo claro, vejo isso como protecionismo. Nada pessoal contra as automobilísticas nacionais e nada contra a aquisição de veículos. Mas não creio que o caminho seja este. Primeiro, porque a taxa de juros do Brasil é absurda. Isto, economicamente, pode favorecer num primeiro momento, bancos, montadoras, concessionárias. Mas tem levado a população a um endividamento ainda maior. Tanto que o país vive inadimplência recorde por os consumidores não conseguirem pagar os carros. Além do valor dos automóveis no Brasil ser um dos mais caros do mundo, sem falar da qualidade. Segundo: o país não fornece infra-estrutura suficiente para acomodar tantos veículos no mercado. Muito menos nas grandes cidades. É mais ou menos parecido como você comprar mil sacos de arroz para tentar armazená-los no armário de casa (de padrões normais).  E nem vou entrar no mérito da questão ambiental, emissão de CO² e tal. E também não vou dissertar sobre o combustível, que todos sabem, o Brasil não tem auto-suficiência e está importando.
Penso que, ao se propor determinada ação, ela nunca deixa de ter uma reação em cadeia. E não são ações imediatistas que vão fazer o país avançar. Isso é remendo, vai rasgar.

Isto posto, entro na pauta do texto. Talvez a solução acabe afinal, sendo uma reforma fiscal. E isto o governo não aceita. É como aqueles comerciantes que preferem vender menos, cobrando mais, do que vender mais barato, o que aumentaria suas vendas e lucro.

A idéia em mente, é de o governo oferecer incentivo fiscal para investimentos (sei que já faz algo na linha para Cultura). Por exemplo, o país está atravessando problema (também) de crise energética. Poderia ter um programa de benefícios fiscais, para desenvolver projetos eólicos no país. Além de beneficiar a população, suprindo aquilo que não está conseguindo oferecer, no caso, a energia elétrica, isto traria empregos, energia e também favoreceria o meio ambiente. Também pode ser com energia solar, ou qualquer outra atitude que incentive energia renovável e limpa. Isto também pode ser aplicado em construções. Veja que, ao contrário do governo, esta é uma idéia que amplia os horizontes, mesmo que em mais longo prazo,  ao invés de aumentar os problemas, como no caso do IPI dos carros citado acima.
A idéia é esta, mas isso foi um exemplo. Creio que este incentivo abriria o mercado para novos investidores, inclusive  internacionais, aumentaria a produção, geraria empregos, (mais ainda se fizesse uma reforma trabalhista também) e faria o país avançar.

Além disso, acabaria com as cotas e retiraria os subsídios financeiros que só continuam a sustentar a pobreza e a dependência, e forneceria recursos para estas pessoas terem condições de se manterem, como o velho ditado: ‘ensine a pescar’. Mesmo que forneça de início as sementes, ensine-os a plantar, para que vivam disso. Mesmo que seja o governo, por prazo determinado, o comprador, para usar os produtos do trabalho digno em tantas de suas instituições.

Um governo que troque o voto, pelo futuro. Da Nação.
terça-feira, 8 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

O Brasil em boas mãos (como nunca dantes)


Diz o dito: o país que não conhece sua história, tende a repeti-la. Então, relembre (e guarde) alguns fatos, que já pode ter esquecido, embora a história seja recente:

Pequena compilação e breve currículum de companheiros:

Erenice Guerra = Então Ministra da Casa Civil, setembro de 2010, em meio as eleições presidenciais, denunciada por ser conivente com tráfico de influência que seu filho Israel Guerra exercia, favorecendo sua própria empresa de aviação. Israel exercia lobby intermediando contato entre empresários e órgãos públicos cobrando ‘taxa de sucesso’ de 6%. Erenice era braço direito de Dilma quando Ministra. O escândalo culminou com a queda de Erenice.
No dia 20/07/2012, já no governo Dilma, o processo foi arquivado ‘por não encontrar nada que desse embasamento a uma denúncia criminal’ pelo juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª vara federal do DF.
De acordo com denúncia feita pelo jornal O Estado de São Paulo, Erenice está de volta atuando nos bastidores do TCU (Tribunal de Contas da União).

Antonio Palocci = Petista de primeira linha, tem inúmeras acusações e blindagem de qualidade, já que nenhuma até hoje resultou em condenação.
Em 2005 foi envolvido no Mensalão, acusado de receber propina em sua gestão quando prefeito de Ribeirão Preto. Foi também acusado de fraudar licitações para compra de cestas básicas (caso arquivado pelo STF). Em 2006, como Ministro da Fazenda (Lula) foi demitido quando da CPI dos Bingos. Foi denunciado por Francenildo Santos Costa, seu caseiro, de ter uma ‘casa de lobby’, uma mansão alugada que servia de sede para reuniões de lobistas e encontros com prostitutas, a “República de Ribeirão Preto”. A PGR denunciou Palocci por quebra de sigilo de Francenildo, e em 2009 foi inocentado.
No governo Dilma, como Ministro da Casa Civil, Palocci é acusado novamente por enriquecimento ilícito (patrimônio aumentado 20 vezes) e após 6 meses no cargo, pediu demissão.

Fernando Pimentel = Ministro do Desenvolvimento, Ind. E Com. Exterior no governo Dilma. Mais um candidato a canonização da seita dos ‘iluminados’. Acusado de consultorias não comprovadas em 2009/10 no valor de R$ 2 milhões, e fretamento de jatinho para viagem na Europa. A comissão de ética da Presidência arquivou o processo contra ele em tempo recorde.

Aloizio Mercadante = Ministro de Ciências e Tecnologia (2011) e atual Ministro da Educação, em substituição a Fernando Haddad. Em junho de 2011, foi revelado pelo petista Expedito Veloso que Mercadante e Quércia foram os mentores e arrecadadores do dinheiro que financiou o dossiê dos Aloprados.

Agnelo Queiroz = atual governador do DF. Filiado ao PT desde 2008, também foi diretor da ANVISA e Ministro de Esportes. Praticamente governa de Paris e seu governo tem péssima avaliação. Está nesta lista apesar de não ser Ministro, por ser seu governo um dos mais envolvidos em escândalos e por receber sempre a mais alta blindagem. Já foi acusado de receber propina de ONG – também acusada de desvios -  em sua gestão como Ministro de Esportes. Usou a estrutura do Ministério para organizar sua festa de aniversário de 45 anos. Também foi envolvido por prevaricação no mensalão do DEM. Foi acusado de ceder benefícios a um casal quando diretor da ANVISA, em troca da compra de uma casa abaixo do valor de mercado. Foi acusado de invasão de área pública e de recebimento de propina na Operação Shaolin (denunciado pelo policial João Dias) e ligações e relações com Carlinhos Cachoeira.
Em Dezembro/2012 o PSB rompe com Agnelo. E Dilma, em mais uma operação de blindagem, manda ao GDF dois assessores de sua confiança.

Guido Mantega = guru, vidente tão bom quanto economista, e Ministro da Fazenda do governo petista. Responsável pela previsão do fim do mundo em 2012 ... (desculpem, não resisti) voltando... responsável pela Casa da Moeda, foi alertado por Luis Felipe Denucci sobre pagamento de propina de U$ 25 milhões (isso mesmo, dólares) à fornecedores e Mantega prevaricou. Ainda na Casa da moeda, desapareceu misteriosamente R$ 5 mil. Tiveram também que fazer o recall de 40 mil passaportes enviados a representações diplomáticas do Brasil no exterior. Recentemente, divulgada manufatura de moedas de 50 centavos com verso de 5 centavos, que devem ser trocadas pelo Banco Central.
Acaba de sair do forno sua manobra fiscal para injetar R$ 19,4 Bilhões de recursos nos cofres do governo para maquiar o cumprimento de meta de superávit primário.

Nunca dantes neste país, a queda em dominó de seis ministros por corrupção. O menor PIB da América Latina. O menor crescimento econômico entre os Brics. O país encerrou o ano com mais de 3.000 MP’s sem votação. O país entrou o ano sem ter seu orçamento para 2013 votado. E mais uma inconstitucionalidade aplicada: lançou MP do crédito extraordinário no valor de R$ 42,5 Bilhões.

No meio de falhas administrativas, escândalos, inoperância, apagões, falta de planejamento, inconstitucionalidades, os petistas ainda culpam o PIG (aqui entenda imprensa golpista) por tentativa de golpe e esbravejam contra o Judiciário, enquanto Dilma reina absoluta na Terra Brasilis de cegos com 77% de aprovação.


segunda-feira, 7 de janeiro de 2013 | By: Vânia Santana

"Em terra de cego, quem tem um olho é rei"


Brasil - 13 milhões de analfabetos, 13,5 milhões de bolsa-família, 1,4 milhões de crianças fora da escola, 50 mil homicídios/ano, 50 mil mortes no trânsito. Nordeste passando sede e fome. Consumo e tráfico de drogas nas ruas, a céu aberto.
Hospitais sem médicos, sem medicamentos. Desvios na saúde já comprovados pela AGU e em centenas de denúncias nos veículos de comunicação.

Somente em 2012, até 31 de Outubro, a Procuradoria abriu 5.113 inquéritos policiais para investigar pessoas no setor público envolvidas em corrupção, peculato, tráfico de influência e nepotismo. E mais 5.537 inquéritos foram abertos para apurar casos de improbidade administrativa.

Bilhões e bilhões de dinheiro público sendo desviados pela corrupção.

A Usina Abreu e Lima, em Pernambuco,  com investimento inicial previsto de U$ 2,3 Bilhões já foi paralisada algumas vezes pelo Tribunal de Contas da União (TCU) por suspeitas de irregularidade, e já está com o custo de U$ 17,1 Bilhões, um surreal aumento de 643%. A Petrobrás ainda estima que os valores podem superar os U$ 20 Bilhões.
Nenhuma refinaria de petróleo na história do mundo custou tanto.

Os gastos para a Copa de 2014, subiram de R$ 25 Bilhões para R$ 27,4 bilhões (valores de junho/12) segundo o TCU. E segundo Romário, hoje Deputado Federal, deve a copa no Brasil chegar a um custo de R$ 100 bilhões.
Qualquer que seja, todo este dinheiro tem sido muito mais aplicado em estádios do que em infra-estrutura, o que ao menos garantiria um legado de benefícios para o povo durante e após a Copa.

O país ficou em penúltimo lugar na educação mundial, teve o PIB mais ínfimo da América Latina e perdeu o posto da 6ª Economia para a Inglaterra.

Enquanto isso, deputados federais tomaram posse e continuam seus mandatos na Câmara, apesar de condenados pelo STF: José Genoíno (PT-SP), João Paulo Cunha (PT-SP), Pedro Henry (PP-MT), Valdemar Costa Neto (PR_SP) e Natan Donadon (PMDB-RO).

Enquanto Haddad é eleito em São Paulo, e toma posse, apesar de ter as contas rejeitadas pelo TSE.

Enquanto Lula, novamente envolvido em escândalos por denúncias na operação Porto Seguro e por Marcos Valério,  some de cenário.

Enquanto Cachoeira, condenado a 40 anos de prisão, se protege por recursos e habeas corpus ad infinitum, e passeia livremente em lua de mel na Bahia.

Tudo é legal. Mas nem sempre é moral.

Enquanto isso o Brasil caminha a passos largos para o retrocesso, e não se transforma sua população numa sociedade organizada (aquilo que faz um país deixar de ser território apenas, para surgir o patriotismo que faz avançar uma Nação). 
Continua alheia e pagando o preço, caro, e muito, da ignorância dos que não concebem a realidade, e da inércia dos que sabem e podem, mas nada fazem.

Lula, disse, em entrevista dia 07/10/12: “ O povo não está preocupado com o mensalão, o povo está preocupado se o Palmeiras vai cair”

Os que estão no poder, estão porque conhecem seu eleitorado. Eles sabem que ‘em terra de cego, quem tem um olho é rei’.